sexta-feira, 12 de Março de 2010

Alianças militares no bloco capitalista

Os EUA, numa conjuntura de Guerra Fria, pretendiam, a todo o custo, o isolamento da Rússia Soviética e a consolidação da influência norte-americana a uma escaqla mundial. Tal provocou uma extensão da influência capitalista a alianças multilaterais, globalmente.
A assinatura dessas alianças era celebrada com acordos bilaterais, tendo em conta que eram utilizados para estabelecer bases militares, que funcionavam como autênticas sentinelas de alerta contra o comunismo. O seu propósito era a intervenção imediata em potenciais conflitos que eventualmente questionassem a hegemonia capitalista, cujo paradigma eram os EUA.

  • 1947:
Assinou-se o Pacto do Rio ou TIAR entre todas as nações do continente americano. Pretendia a defesa colectiva e, para tal, as nçaões constituintes formaram uma frente comum na eventualidade de agressão de uma potência externa.
  • 1948:
A assinatura da Organização dos Estados Americanos ou OEA ocorreu na Conferência de Bogotá. Era a substituição do TIAR, com os mesmos objectivos, ou seja, ajuda mútua entre a totalidade das nações sul-americanas. Ao lado, o símbolo desta organização.
  • 1949:
O Pacto do Atlântico Norte deu origem à formação da OTAN - em inglês - ou à NATO - em português -, cujo país fundador foi Portugal. Sucintamente, era composto pelos EUA, democracias ocidentais, pela Grécia, por Portugal, pela Turquia e pela Itália.
  • 1951:
A influência norte-americana ou capitalista foi consolidada na Oceânia pela celebração do Pacto do Pacífico com a Austrália e Nova Zelândia, que resultou na ANZUS. Acabaria por ser alargada ao Paquistão, às Filipinas, à Tailândia, à França e, ainda, à Grã-Bretanha, em 1954 - data da formação da OTASE, isto é, Organização do Tratado da Ásia do Sudeste.
  • 1955:
Neste ano, foi oficializada a aliança militar final no bloco capitalista. O Pacto de Bagdad, abrangente da Inglaterra, da Turquia, do Paquistão, do Irão e do Iraque, tinha levado à CENTO ou Organização do Tratado Central.



1 comentário: